CONTACTOS

mostra@mostra-online.com

+351 919 197 354

  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon

MOSTRA @ 2020  |  Terms  |  Privacy 

Marco Espírito Santo

Artista multidisciplinar assumidamente influenciado pelos escritores da Geração Beat e pela cultura pop Norte-Americana, trabalha principalmente como realizador e guionista no mundo da publicidade, videoclipes, e curtas-metragens documentais e de ficção. Nasceu em Londres mas cresceu em Lisboa. Foi vencedor do prémio Sarah Willis em Nova Iorque pela sua colecção de poesia Never Ode You Nothing aos 19 anos, frequentou a London Film School, e foi seleccionado para o programa Berlinale Talents do Festival de Cinema de Berlim. As suas curtas-metragens contam com selecções em festivais como Clermont-Ferrand, Tampere, London Short Film Festival, e International Documentary Film Festival (IDFA), e reconhecimentos da MTV, Nowness, Booooooom!, e Vimeo Staff Picks, entre outros. Em paralelo já criou conteúdos originais para marcas como a Rizla, Fred Perry, e Moda Lisboa. Fora isso, é homem de família, e gosta de nuvens épicas, de cães, e de conduzir com a música bem alto. Esta é a sua primeira participação numa exposição de arte.

Como todo o meu processo artístico provém de um fascínio pela elasticidade e poder de síntese das palavras (através da poesia, mais concretamente), apesar de hoje em dia me dedicar principalmente ao ramo audiovisual, nunca deixei de explorar novas formas de expressão através da escrita. Este projecto é resultado directo desse interesse, e começou no Instagram, que por algum motivo nunca usei para postar imagens pessoais mas sim para explorar este estilo de fotografias 1x1 com frases em Inglês sobrepostas. Como fazer filmes geralmente é um processo demoroso, foi também uma forma mais imediata de saciar a criatividade diariamente! Com isto, eventualmente tive curiosidade em fotografar num formato maior para o mesmo efeito, e o resultado é este. Os temas variam, da cultura ao desporto, da política ao amor. Mas suponho que o factor constante é um olhar satírico, uma vontade de gozar com a seriedade que hoje em dia nos afecta a todos.

                                                                                                                       

 Marco Espírito Santo